Duvidas frequentes  

QUEM É DEUS?
 

Deus é Espírito, o Criador de todas as coisas.  Criador do Universo, Criador dos homens, dos anjos, dos animais, de todos os elementos da Natureza, exemplos de água, ar e luz (Gn 1; Jo 4.24).

 

QUAIS OS ATRIBUTOS DE DEUS?

 

Atributos são as qualidades inerentes a Deus, próprias dEle.  Dividem-se em dois: atributos incomunicáveis, que não podem ser transferidos ao homem (ONIPRESENÇA, ONISCIÊNCIA, ONIPOTÊNCIA, INFINITUDE e IMUTABILIDADE); atributos comunicáveis, os que podem ser transferidos ao homem (AMOR, SANTIDADE, JUSTIÇA, VERDADE).  (Êx 3.14; Pv 5.21; 15.3; At 15.17-18; Tg 1 17; Sl 139.1-12; 147.13-18).

 

QUEM É JESUS CRISTO?

 

O nome JESUS provém do hebraico “Jeshua” (Jeová salva).  A palavra CRISTO provém do hebraico “Massiah” (Ungido).  Jesus Cristo é o Filho de Deus, a Segunda Pessoa da Trindade, o Deus Filho, o Verbo que se fez carne e habitou entre nós.  Três dias após a Sua morte na cruz, ressuscitou e retornou ao Pai.  Jesus é Deus e, como tal, possui os mesmos atributos de eternidade, onisciência, onipotência, onipresença, eternidade e imutabilidade.  Ele próprio se definiu afirmando: “EU E O PAI SOMOS UM”.  Jesus participou da Criação.  (Gn 1.16; Jo 1.3; 21.17; Ef 1.20-23; Ap 1.8; Is 54.5; 9.6).

 

QUEM É O ESPÍRITO SANTO?
 

Na qualidade de Terceira Pessoa da Trindade, o Espírito Santo é Deus e possui, é óbvio, os mesmos atributos de Deus.  Com Deus Pai e Deus Filho participou da Criação.  É Ele quem distribui os dons espirituais e ministeriais, segundo a Sua soberana vontade.  O Espírito Santo habita no crente.  (Gn 1.2; Sl 139.7; At 5.3-4; Rm 15.19; l Co 2.10; Jó 33.4).  O QUE SIGNIFICA

 

SANTÍSSIMA TRINDADE ?

 

Há um só Deus em três pessoas distintas: o Pai é Deus; o Filho é Deus; o Espírito Santo é Deus.  Embora na Bíblia não haja a expressão “Santíssima Trindade”, a doutrina cristã do Deus trino está evidente em várias passagens das Escrituras.  No batismo de Jesus, por exemplo, ouviu-se a voz do Pai: “Tu és o meu Filho amado em quem me comprazo” (Mc 1.11).  João Batista disse: “Eu vi o Espírito descer do céu como pomba e permanecer sobre Ele” (sobre Jesus) (Jo 1.32).  Aí temos, portanto a manifestação das três pessoas da Trindade.  A Trindade, ou seja, as três pessoas subsistentes em um só Deus, constituem um dos maiores mistérios da Divindade.  Não pode ser entendida nem explicada à luz da lógica humana.  A infinitude de Deus não cabe na finitude do homem.(Gn 1.1-2; 1.26; 3.15; Jo 1.1-14). 

 

QUER DIZER QUE JESUS SEMPRE EXISTIU?

 

Sempre existiu.  Como se lê em João, capítulo primeiro: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus…  o Verbo se fez carne e habitou entre nós”.  Logo, o Verbo, JESUS, no princípio estava com Deus e era Deus.  Então, Deus se fez homem e viveu como homem em nosso meio.  JESUS sabia que havia saído de Deus e ia para Deus (Jo 13.3).  O próprio Jesus afirmou que voltaria para o Pai e prepararia nosso lugar nos céus (Jo 14.2-4).  Uma das mais objetivas afirmações sobre a eternidade de Jesus está em Isaías 9.6: “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu.  O principado está sobre os seus ombros, e o seu nome será: MARAVILHOSO, CONSELHEIRO, DEUS FORTE, PAI DA ETERNIDADE, PRÍNCIPE DA PAZ”.  QUER DIZER QUE DEUS NÃO TEM MÃE? Nem pai.  Deus é um Ser incriado, isto é, que existe sem ter sido criado.

 

COMO PROVAR A EXISTÊNCIA DE DEUS?
 

Seria uma tentativa vã tentar provar a existência do Altíssimo por argumentos lógicos e humanos.  A melhor maneira é aceitá-la pela fé.  Todavia, podemos dizer que o Universo nos fala do seu Criador.  Os bilhões de estrelas, o nosso Sistema Solar, as infalíveis leis na Natureza, tudo funcionando em perfeita harmonia, nos falam da existência de um Ser Superior, Todo-Poderoso.  A Terra gira em torno de si mesma e em torno do Sol há milhões de anos com uma precisão indescritível.  Não se trata de obra do acaso.(Gn 1 e 2).  COMO PODEMOS FALAR COM DEUS?  A oração é uma forma de falarmos com Deus.  Deus ouve e responde àqueles que a Ele se chegam com humildade e fé: “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar e buscar a minha face, e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra” (2 Cr 7.14; Jo 14.13; 15.16; Mt 6.6, 9).

 

QUEM PODE SER SANTO?

 

Todos devemos ser santos.  Deus convoca todos à santidade: “Sede santos porque Eu sou santo” (Lv 19.2).  São santos TODOS os filhos de Deus, ou seja, os cristãos regenerados, convertidos ao Senhor, nascidos do Espírito.  (1 Pe 1.16).

 

O QUE FAZER PARA SER SANTO?
 

Arrepender-se de seus pecados e deixá-los; voltar-se para JESUS com sincera atitude de obediência, submissão, humildade, amor e fé.(Mt 4.17; Pv 28.13).

 

OS SANTOS FALECIDOS POSSUEM PODERES?
 

Não.  Os santos, no Paraíso, se encontram num estado de redenção incompleta, porquanto somente com a volta do Senhor Jesus ressuscitarão num corpo glorioso.  Os poderes para curar enfermos e expulsar demônios foram outorgados pelo Senhor Jesus à igreja visível, ou seja, aos vivos.  Ademais, os santos falecidos não possuem, por óbvias razões, os atributos de Deus, de onipresença, onisciência e onipotência.  O princípio bíblico é o seguinte: os mortos nada podem fazer pelos vivos, nem os vivos, pelos mortos.(1 Ts 4.16-17; Mc 16.17-18).

 

OS SANTOS PODEM SER MEDIADORES ENTRE DEUS E OS HOMENS?
 

Não.  POR QUÊ?

Citaremos apenas duas razões: 1) a Palavra de Deus diz que só há um MEDIADOR, INTERCESSOR e ADVOGADO entre Deus e os homens; 2) Os santos falecidos não são ONIPRESENTES, isto é, não estão em todos os lugares ao mesmo tempo.  O atributo da onipresença é exclusividade de Deus.  Logo, os espíritos dos santos falecidos não podem ouvir os pedidos que a eles são dirigidos.  E ainda que os ouvissem, não os levariam a Deus porque estariam em desobediência à Palavra do Criador.  Lembremo-nos da passagem bíblica sobre o HOMEM RICO e LÁZARO.  Não tiveram permissão de levarem palavras de salvação aos da terra: nem o rico, que estava em tormentos, nem o pobre Lázaro, que estava no Seio de Abraão.  Por outro lado, JESUS foi taxativo quando disse: …  “ninguém vem ao Pai a não ser através de Mim” (1 Tm 2.5; Hb 7.25; 1 Jo 2.1; Jo 14.6; Lc 16.20-31).

 

O QUE É A MORTE?  QUAL A SUA ORIGEM? 
 

 A morte deve ser vista sob três aspectos: MORTE FÍSICA, a descida do nosso corpo à terra.  Surgiu em conseqüência da desobediência do casal Adão/Eva e de acordo com a palavra de Deus no Jardim do Éden : “No dia em que dela comeres, certamente morrerás”.  “És pó e em pó te tornarás”(Gn 2.17: 3.19).  MORTE ESPIRITUAL, quebra da comunhão de Deus com os homens em virtude do pecado (Gn 3.8).  MORTE ETERNA, eterna condenação e separação de Deus.  Os filhos de Deus vencem a morte física na ressurreição (1 Ts 4.16-17), não experimentam a morte espiritual e estão livres da morte eterna.  (Rm 5.12; 6.23; Ap 21.8).  Temos também a MORTE PARA O PECADO.  Esta é a situação dos que se encontram em Cristo Jesus, e nEle e com Ele venceram o pecado (Rm 6.5-10; 8.1; 12.2).

 

COMO SERÁ A SEGUNDA VINDA DE JESUS? 
 

Jesus prometeu voltar.  Em várias ocasiões Ele afirmou que voltaria.  Não mais para “buscar as ovelhas perdidas”, mas para buscar a Sua Igreja e derramar seus juízos sobre a Terra.  Na primeira fase de Sua volta, Ele arrebatará o povo de Deus; na Segunda fase, sete anos depois, fará justiça sobre as nações ímpias e estabelecerá Seu reinado por mil anos (1 Ts 4.16-17; Ap 20-22).  A primeira fase será secreta e só a Igreja sentirá seus efeitos.  A segunda fase – conhecida como revelação – todos O verão.  QUAL A SITUAÇÃO DOS QUE

 

MORREM SEM CRISTO?

 

É a pior possível, difícil até de ser imaginada ou descrita.  Os que morrem sem Cristo vão diretamente para um lugar de TORMENTOS, e ali aguardarão a condenação eterna.  Nesse lugar, não terão a mínima chance de recuperação ou de salvação.  É a morte eterna, ou seja, a eterna separação do Criador.(Lc 16.22-23).  Nesse lugar tenebroso permanecerão até que se completem os mil anos do reinado de Cristo.  Após esse período, ressuscitarão para receberem a condenação e serem lançados “no lago que arde com fogo e enxofre, que é a Segunda Morte”.  (Ap 20.5; 21.8; Jo 3.18).

 

QUAL O SIGNIFICADO DE “NOVO NASCIMENTO”?

 

Novo nascimento, regeneração ou nascimento espiritual são termos semelhantes e significam receber a VIDA ETERNA e a salvação em Cristo Jesus.  “Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo não pode ver o reino de Deus”.  (Jo 3.3).  O NOVO NASCIMENTO é experimentado por aquele que se arrepende de seus pecados e os deixa, crê no Senhor Jesus, e O aceita como Senhor e Salvador.  O homem nascido de Deus, nascido do Espírito é uma NOVA CRIATURA, uma nova pessoa que evita o pecado e está disposta a viver em obediência a Deus e conforme a Sua palavra.  O Novo Nascimento é o maior milagre que Deus opera na vida do homem.  “Portanto, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram, tudo se fez novo”.  Novo Nascimento é sinônimo de libertação, de transformação.  Significa sair das TREVAS e ir para a LUZ; sair do reino de Satanás e ir para o reino de Deus; deixar de ser apenas CRIATURA DE DEUS para ser FILHO DE DEUS.(2 Co 5.17; Rm 12.2; Ef 4.22-25; Cl 3.7-10; 1 Jo 3.9; 5.18).

 

O BATISMO NAS ÁGUAS É INDISPENSÁVEL À SALVAÇÃO?

 

Não.  Ao ladrão arrependido, na cruz, Jesus afirmou que naquele mesmo dia ele estaria salvo, independente de batismo nas águas.  Pelo ato do batismo o crente, já salvo, confirma seu compromisso de seguir a Cristo.  É certo que a Palavra diz: “Quem crer e for batizado será salvo”.  Mas em seguida afirma: “…mas quem não crer será condenado” (Mc 16.16).  Então, quem não crer será condenado.  “ É a falta de fé que leva à condenação, e não a ausência de um sacramento”.  Outras referências confirmam esse raciocínio: “Quem nEle crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, porque não crê no unigênito Filho de Deus” (Jo 3.18); “Pela graça sois salvos, por meio da fé”.  (Ef 2.8).  Todavia, o batismo, como mandamento, é uma necessidade.

 

O QUE SIGNIFICA “ARREBATAMENTO DA IGREJA”?.

 

Arrebatar quer dizer raptar, levar com ímpeto, com força, arrancar, resgatar, tirar.  Para os crentes significa o momento glorioso em que Jesus, na Sua volta, levar a Sua Igreja para junto de Si.  O arrebatamento dar-se-á “num abrir e piscar de olhos”, em dia e hora que não sabemos.  Como a Igreja compreende os vivos e os mortos – os que vivem com Cristo e os que morreram em Cristo – , no momento do arrebatamento, “os que morreram em Cristo ressurgirão primeiro, depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles (com os primeiros, os mortos) nas nuvens, PARA O ENCONTRO DO SENHOR NOS ARES, E ESTAREMOS PARA SEMPRE COM O SENHOR” Aleluia!  (1 Ts 4.16-17).

 

O QUE É PECADO?

 

Pecado é tudo que fazemos em desacordo com a vontade de Deus, contrário à Sua Palavra, em desobediência aos seus mandamentos.  O pecado é um ato de rebeldia: “Todo aquele que pratica o pecado, também transgride a lei, pois o pecado é a transgressão da lei” (1 Jo 3.4).  Há duas palavras gregas , dentre outras, para definir pecado: “HARMATIA” (transgredir, pecar contra Deus, praticar o mal) e “ADIKIA” (iniquidade, maldade, injustiça).

 

O QUE É PECADO ORIGINAL?

 

É o pecado herdado da desobediência de Adão e Eva.  O primeiro homem, como representante da raça humana, corrompeu toda a humanidade ao transgredir a lei de Deus.  O Senhor Deus ordenou ao homem: “De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás, pois no dia em que dela comeres, certamente morrerás”.  A mulher, dando ouvidos à serpente, comeu do fruto da árvore proibida e cometeu o primeiro pecado da humanidade.  “Como semente gera semente da mesma espécie”, nós, sementes de Adão, herdamos a natureza pecaminosa.  Assim, “por um só homem entrou o pecado no mundo / pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”.  (Gn 2.16-17; 3.1-6; Rm 3.23; 5.12).  A esperança é que se “pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos justos”.  (Rm 5.19).

 

DEUS CRIOU O PECADO?

 

Não.  Deus é amor.  Deus não é a fonte do mal.  Acontece que Ele deu ao homem liberdade para decidir.  Deu-lhe o livre-arbítrio.  No Éden, Deus estabeleceu o princípio da obediência.  A obediência é necessária para que o homem viva em comunhão com Seu Criador.  Muitos hoje em dia dão ouvidos ao diabo e desprezam as palavras de advertência do Criador.  O resultado é a morte eterna.  (Gn 2.17; Rm 6.23).

 

O QUE É REMISSÃO DE PECADOS?

 

Significa livramento da culpa do pecado.  Remissão quer dizer perdão, redenção, quitação de uma dívida.  Em certos contratos comerciais há um acordo chamado “cláusula de remissão”, onde se define o preço da remissão, a fim de que o bem hipotecado seja liberado.  Uma vez pago o preço acertado, o bem hipotecado fica livre, sem ônus, sem impedimentos.  O preço de nossa redenção, de nossa libertação, foi o sangue de Jesus: “Sem derramamento de sangue não há remissão”.  (Hb 9.22).  “O Cristo padecerá, e ao terceiro dia ressurgirá dentre os mortos, e em seu nome se pregará o arrependimento e a REMISSÃO DOS PECADOS…”.  (Lc 24.46-47).  Sem arrependimento não há remissão dos pecados.  Em Jesus “temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados”.  (Cl 1.14).

 

POR QUE JESUS MORREU PARA NOS SALVAR?

 

A humanidade estava condenada porque pecou contra Deus, levando em conta a natureza de pecado herdada do primeiro casal Adão e Eva: “Pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm 3.23).  Para restabelecer a comunhão de Deus com os homens, o Filho se fez carne, se fez homem, habitou entre nós.  O Cordeiro de Deus – JESUS – deixou-se imolar na cruz.  Com Seu sacrifício, satisfez a justiça de Deus.  Na cruz, Ele pagou a nossa dívida, “riscou o escrito da dívida que havia contra nós…  cravando-o na cruz”.  (Cl 2.14).  Ele fez a Sua parte.  A nossa parte é crer nEle, na Sua morte e ressurreição: “Quem nEle crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, porque não crê no nome do unigênito Filho de Deus”.  (Jo 3.18).

 

EM QUE SITUAÇÃO O SEXO É PECADO?

 

A relação sexual ENTRE NÃO CASADOS é pecado, ainda que sejam namorados, noivos ou comprometidos.  O ADULTÉRIO, proibido pelo sétimo Mandamento (Êx 20.14), abrange os vários tipos de imoralidade e pecados sexuais.  Lembramos que entre casados nem tudo é permitido, como é o caso de sexo oral e anal.  O homossexualismo masculino ou feminino (sexo entre homens ou entre mulheres) é pecado.  Deus criou macho e fêmea e os uniu pelo casamento (Gn 2.24).  Homens e mulheres, adolescentes, jovens e adultos, devem permanecer puros, abstendo-se de qualquer atividade sexual que não seja no casamento.  “Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula, pois aos devassos e adúlteros Deus os julgará”.  (Hb13.4).  “Fugi da prostituição.  Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo, mas o que se prostitui peca contra seu próprio corpo”.  (1 Co 6.18).

 

E AS CARÍCIAS ENTRE NAMORADOS OU NOIVOS?

 

São impurezas para Deus.  Não convém aos santos “ver a nudez” ou “descobrir a nudez” de outrem, a não ser do cônjuge.  As carícias ou práticas libidinosas contrariam os padrões de moralidade exigidos por Deus.  Devemos manter o nosso corpo em santificação e honra porque o Espírito Santo habita em nós, isto é, nos que aceitaram a Jesus como Senhor e Salvador.  (Lv 18.6-17; Mt 5.28; Gl 5.19; 1 Ts 4.3-7).

 

O QUE É PROTESTANTISMO?

 

É a religião dos protestantes.  Também definido como “nome genérico por que são denominadas todas as igrejas cristãs do Ocidente, que entraram em conflito com a Igreja de Roma do séc.  XVI, denegando a autoridade papal”.  O ponto alto do “protesto” deu-se aos 31 de outubro de 1517, quando o sacerdote alemão Martinho Lutero, da Ordem de Santo Agostinho, publicou 95 teses criticando e condenando as doutrinas e abusos cometidos pela Igreja Católica, mais especificamente quanto à venda de indulgências.